terça-feira, 28 de novembro de 2017

Exames Nacionais de 2012 e 2013 - A produção de bens e de serviços

R:C
R: C
R: A partir de um determinado nível de produção , mantendo fixa a quantidade de um dos fatores produtivos , ir-se-ão verificar acréscimos de produção resultantes da utilização de unidades sucessivas do outro fator produtivo (produtividade marginal) cada vez menores.
R: D
R: B
R: D
R:
Taxa atividade = pop.atv./pop total x 100 = 52,1%

47,9% ------ 5 103,5
100% ------- Pop. Total

5 103,5 x 100 : 47,9 = 10 654,5
R: C         8 000 /20%= 8000/5 =1600
R:  A
R:
R: D

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Combinação dos factores de produção


1. Completa a tabela e interpreta a linha correspondente a Q=4.
Custo fixo- 55
Custo variável- 105
Custo total- 160
Custo marginal- 30
Custo fixos médios- 13,75
Custo variável médio- 26,25
Custo total médio- 40
2. Representa graficamente CT=CF+CV. Justifica a configuração das curvas.

O custo variável aumenta e o custo total também aumenta.
3. Representa graficamente a relação entre o Custo Marginal e os Custos Médios (CFM, CVM e CTM). Justifica a configuração das curvas. 

4. Indica a combinação óptima de factores correspondente aos salários de 5 ao custo da capital de 5,5 na tabela que ficou incompleta na segunda imagem deste post
A=5x1+5,5x6=38
B=5x2+5,5x3=26,5
C=5x3+5,5x2=26
D=5x6+5,5x1= 35,5
5. Relaciona as economias de escala com a concentração que se verifica em muitos ramos da actividade económica: banca, automóvel, distribuição de combustíveis, distribuição a retalho, etc.
As economias de escala em relação à concentração é uma redução dos custos com o nível de produção.
6. “Se as escolas forem muito grandes, as pessoas deixam de conhecer-se e o anonimato contribui para o aumento da indisciplina”.
6.1. Comenta utilizando o conceito apropriado. 
Aconteceria a deseconomia de escala porque devido á dimensão da escola seria mais difícil geri-la
6.2. Refere outros factores, como (a) a lotação das salas, (b) a dificuldade em conseguir melhores horários, (c) o distanciamento da direcção relativamente a alunos, professores e pais. 
a) Organização
b)Dificuldade na toma de decisões
c)anonimato de alunos que contribui para indisciplina  6.3. Aponta alguns factores que possam justificar as deseconomias de escala nas empresas.
Dificuldades na tomada de decisões
Organização da produção
Distancia da Unidade de produção aos mercados e/ou matérias-primas

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Lei dos Rendimentos Decrescentes

1. Explica os seguintes conceitos:
- combinação dos factores produtivos
 A combinação dos factores de produção dependem das características dos próprios factores de produção que são nomeadamente a adaptabilidade, complementaridade e substituibilidade
- função de produção
Exprime a relação técnica existente entre a produção e os factores produtivos.
Y= f(A, K ,L)
- factores de produção
Os factores de produção são o Trabalho , Tecnológica e Capital
- complementaridade dos factores
Os factores de produção dizem se complementares na medida em que só a presença (e combinação) do trabalho com capital permite realizar a produção. Assim, não se pode produzir com a utilização, apenas , de trabalhadores, ou de terra , ou de equipamentos ou de matérias primas , etc.
É da combinação de todos eles, em proporções diversas, que resultam os diferentes bens.
- substituibilidade dos factores
Os factores de produção podem, dentro de certos limites, substituírem-se uns pelos outros ,dando origem a diferentes combinações produtivas. Por exemplo , o agricultor pode combinar de formas diferentes o numero de trabalhadores com o numero de tractores. Assim, poderá utilizar 18 trabalhadores e 1 tractor , 10 trabalhadores e 2 tractores, etc. Ou seja, até certo ponto , um factor de produção pode ser substituído por outro.
2. Distingue o curto prazo do longo prazo tendo em vista a produção.
A longo prazo todos os factores podem ser ajustados enquanto a curto prazo só os factores variáveis podem ser ajustados nomeadamente a matéria prima e o trabalho.
3. Enuncia a lei dos rendimentos decrescentes.
A partir de um determinado nível de produção , mantendo fixa a quantidade de um dos fatores produtivos , ir-se-ão verificar acréscimos de produção resultantes da utilização de unidades sucessivas  do outro factor produtivo (produtividade marginal) cada vez menores
4. Define:
- Produto Marginal/Produtividade Marginal
É o produto adicional gerado por mais uma unidade desse factor
- Produto Médio/Produtividade Média
É a produção total dividida pela totalidade de unidades desse factor de produção
5. Preenche a tabela que se encontra aqui, e constrói um gráfico que ilustre a relação entre a Produção Total, o Produto Marginal e o Produto Médio. Publica imagens da tabela e do gráfico.



6. Observando a tabela construída no ponto anterior.
a) Interpreta a linha correspondente ao trabalho = 3;
3 trabalhadores produzem 5250 toneladas e cada um produz 750 toneladas e o seu produto médio é de 1750 toneladas
b) "Quando o produto marginal é decrescente, o produto médio também decresce". Justifica.

c) Identifica a coluna que expressa a lei dos rendimentos decrescentes
Produto médio

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Capital

1. Apresenta um conceito de “riqueza”.
A riqueza é a abundância de bens ou capital
2. Distingue os novos-ricos dos novos pobres, relacionando-os com os conceitos de mobilidade social e desigualdade na repartição do rendimento. 
Os novos pobres são os indivíduos que eram duma classe superior á classe baixa nomeadamente a classe média que ficaram endividados devido ao seu modo de vida com valores elevados em que gastavam o mesmo que recebiam tornando se novos pobres , enquanto os novos ricos foram os que ascenderam , ou seja foram os que investiram em múltiplos negócios.
3. Indica as actividades desenvolvidas pelos portugueses mais ricos em 2012, e compara-a com a lista de 2017Indica as alterações nas primeiras 5 posições deste ranking.
As atividades desenvolvidas pelos portugueses mais ricos foram investimentos , hospitais privados , marcas de aparelhos , bancos , grupo de empresas portuguesas ligados aos setores de energia , entre outros
4. Distingue riqueza de capital.
Quem é proprietário possui riqueza ,  no entanto , essa riqueza só é de facto capital se estiver ao serviço do processo produtivo .
5. Define os seguintes conceitos de capital: capital financeiro, capital técnico, capital circulante, capital fixo, capital social, capitais próprios, capital alheio, capital natural e capital humano.
Capital financeiro- representa todos os meios financeiros do que uma unidade produtividade pode dispor e é constituído pelo capital próprio e pelo capital alheio.
Capital técnico- Inclui todos os bens que possibilitam ou facilitam a produção de outros bens.
Capital circulante- Durante o processo de produção , como as matérias- primas , desaparecem em virtude de terem sido completamente incorporados nos produtos acabados
Capital fixo- Representa o conjunto de meios de produção que vão envelhecendo e permitindo a realização do processo produtivo por vários períodos , ou seja , são susceptíveis de várias utilizações sem que a sua estrutura sofra alteração.
Capital próprio- É o conjunto dos valores constituídos pelo financiamento dos proprietários da unidade produtividade.
Capital alheio- É o conjunto de valores que constituem o financiamento de terceiros, ou seja , o valor dos bens de que a unidade produtiva dispõe , mas que não lhe pertence.
Capital natural- é o conjunto de recursos naturais disponíveis
Capital Humano- É o conjunto das aptidões humanas que permitem a capacidade de trabalho
Capital Social- Refere se ao montante de fundos colocados á disposição de uma empresa por terceiros no inicio da vida da empresa.
6. Utilizando as definições do ponto 5. classifica os seguintes itens:
a) poupança pessoal de um empresário que foi mobilizada para a actividade produtiva
Capital Financeiro
b) valores financeiros dos proprietários da empresa, afectados à produção
Capital Próprio
c) um empréstimo bancário que a empresa contraiu 
Capital Alheio
d) maquinaria, edifícios, matérias-primas e matérias-subsidiárias empregues no processo produtivo
Capital tecnico
e) maquinaria, edifícios, etc. que são utilizados em vários ciclos produtivos (durante vários anos)
Capital Fixo
f) matérias-primas, que são incorporadas no produto acabado, participando num único ciclo produtivo
Capital Circulante
g) montante de recursos financeiros colocados à disposição de uma empresa pelos seus sócios
Capital Social
h) recursos naturais
Capital Natural
i) factor produtivo trabalho
Capital Humano
7. Partindo da apresentação popular na Internet Suiça vs Portugal na perspectiva de um portuguêsrefere sobre a importância relativa dos recursos naturais, do capital humano, do enquadramento cultural e normativo e dos valores no desenvolvimento dos países

Não interessa os recursos naturais , mas sim o capital humano mas não um capital humano de quantidade que não se importa e que não tenta melhorar o seus erros mas sim um capital de trabalho que tenta superar as suas dificuldades que é uma coisa que o povo Suíço faz e que tem ajudado a desenvolver muito o seu país enquanto os Portugueses não querem saber e esperam que seja feito por eles , mas isto  é no geral porque nem todas as pessoas são iguais.
O enquadramento cultural também não tem nada haver com o desenvolvimento de um país pois os imigrantes no seu país são rotulados como preguiçosos mas noutros países são a força produtiva
E ao nível do enquadramento normativo e de valores dos países realmente isso tem haver porque se os Portugueses não andassem sempre á procura de uma forma de dar a volta ao sistema e se concentrassem no seu trabalho e melhorar como os suíços conseguiria mos evoluir e estar ao mesmo nível que eles.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Causas e tipos de desemprego

1. Indica as três categorias profissionais com maior volume de desempregados, em 2016:

a) Homens
Operários, artífices e trabalhadores similares
Trabalhadores não qualificados 
Pessoal dos serviços e vendedores
b) Mulheres
Pessoal dos serviços e vendedores
Trabalhadores não qualificados 
Especialistas das profissões intelectuais e científicas
2. Constrói e comenta um gráfico representando a evolução das taxas de desemprego em Portugal, de 1983 até hoje, segundo o género

O género feminino sempre foi o género com uma maior taxa de emprego desde de 1983 até á actualidade com excepção de 2012 que o género masculino foi o que teve uma taxa de desemprego maior


3. Relaciona a mudança do perfil de especialização exigido pela economia portuguesa com a globalização das economias.
Como Portugal produz bens de pouco valor como cortiça e vinho e com a globalização das economias Portugal devia começar a investir mais na industria para começar a produzir bens de maior valor tal como automóveis ,equipamentos e peças.
4. Explica um dos conceitos de desemprego apresentados acima, referindo porque este deverá preocupar os jovens.


5. Calcula e interpreta a taxa de desemprego, utilizando dados referentes ao 3º Trimestre de 2012.

6. Consultando o Livro Verde para a Sociedade da Informaçãorefere:
a) os objectivos da Escola
encorajar as iniciativas locais, num processo de descentralização,  no sentido de se aperfeiçoarem competencias de gestão e conhecimentos tecnicos
b) os pilares do conhecimento
aprender a conhecer , aprender a fazer , aprender a viver em comum e aprender a ser
c) a formação ao longo da vida
A formação ao longo da vida sustenta-se em torno de quatro aprendizagens fundamentais, que se interligam e que constituem para cada indivíduo, os pilares do conhecimento:

7. Refere a contribuição dos seguintes aspectos para o nível de desemprego:
- banalização da compra de produtos chineses;
- actividades em self-service;
- automação/automatização;
- informatização;
- globalização e integração económica

As actividades em self service , automatização e a informatização contribuem para o nível de desemprego pois substituem o trabalho de pessoas principalmente nos sectores primários e secundários e agora está se a expandir para o terciário com os serviços de self-service.
A banalização da compra de produtos chineses contribui para o desemprego pois apesar de serem baratos são produzidos na china enquanto com a compra de produtos nacionais dá lucro ás empresas de Portugal dando trabalho aos portugueses.
A globalização e a integração económica contribui para o desemprego pois para produzir bens com maior valor como automóveis e equipamentos pois dá se o desemprego tecnológico que é o desemprego resultante da evolução da tecnologia , os trabalhadores sem reciclagem profissional são incapazes de se adaptar ás novas tecnologias , acabando por engrossar as fileiras de desemprego.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A taxa de desemprego de agosto foi de 8,8% - Setembro de 2017

1. Com base na imagem acima, calcula a Taxa de Actividade, indicando as operações.
taxa de actividade= 4575,3+618,8= 5193,6
5193,6/8865,3 x 100= 58,6%
2. Com base na imagem acima, calcula a Taxa de Desemprego, indicando as operações.
Taxa de desemprego=618,8/5194,1 x 100=11,9%
3. Interpreta a Taxa de Actividade calculada em 1.. 
58,6% da população total é população ativa.
4. Interpreta a Taxa de Desemprego calculada em 2..
11,9% da população está desempregada.
5. Utilizando as taxas de desemprego, referentes a Setembro de 2017, no Quadro 2 (p.5) do destaque acima referido, justifica
- o género mais penalizado pelo desemprego;
- o grupo etário mais penalizado pelo desemprego. 
O género mais penalizado pelo desemprego é o o género feminino.
 E o grupo etário mais penalizado pelo desemprego é são os jovens.
6. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie as diferenças na Taxa de Actividade entre os géneros (F/M) e entre Portugal e a União Europeia. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview
Tanto em Portugal como na União Europeia o género com uma taxa de produtividade menor é a mulher, pois a mulher apesar da mudança de mentalidades continua a ficar mais mais em casa e os homens continuam a trabalhar.

7. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie que a Taxa de Desemprego afecta de forma diferenciada os diversos grupos etários. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview

O grupo mais prejudicado pelo desemprego é os individuos com uma idade menor a 25 anos e em 2010 com um aumento a pique , a partir de 2014 o segundo grupo mais afetado (25-54) passou a ser o menos afetado trocando de posição com os de 55-64
8. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie que a Taxa de Desemprego afecta de forma diferenciada em função do nível de escolaridade concluída. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview
A partir do ano 2000 o desemprego das pessoas sem nenhum nível de instrução começou a aumentar porque apesar dessas pessoas aceitarem qualquer tipo de trabalho elas já provavelmente teriam uma certa idade que muitos empregadores considerariam avançada para o trabalho oferecido pois o ensino obrigatório e leis acerca da escolaridade obrigatória só seriam postas em rigor mais tarde logo as pessoas sem ensino teriam de ser antes desse tempo logo seriam velhos demais para os trabalhos oferecidos pelos empregadores , acontece o mesmo com os de ensino básico.
Enquanto com os individuo que teem o secundário ou o pós secundário não aceitam qualquer trabalho mas sim um equivalente aos anos que eles estudaram enquanto o curso superior sempre teve uma taxa de desemprego relativamente baixo em relação aos outros pois os indivíduos com um curso superior possuem um mais competências e capacidades que os indivíduos com o secundário, pós secundário, básico ou nenhum.

9. Constrói a partir da população desempregada por nível de escolaridade completo - Masculino e Feminino um gráfico que evidencie como a Taxa de Desemprego varia com o género (M/F) e com a o nível de escolaridade. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Os recursos naturais

https://docs.google.com/presentation/d/1oZjxmCM1vu8iI2NDKenNOaoY35Lg0fUlSdkLTDPfHoc/edit?usp=sharing

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Produção e processo produtivo

1. Indica os ramos de actividade apresentados pelas Contas Nacionais portuguesas de acordo com a classificação de Colin Clark.
Setor primário - Agricultura, silvicultura e pesca; Indústrias extractivas;

Setor secundário - Indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco; Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro; Indústria da madeira, pasta, papel e cartão e seus artigos e impressão; Fabricação de coque e de produtos petrolíferos refinados; Fabricação de produtos químicos e de fibras sintéticas e artificiais; Fabricação de produtos farmacêuticos de base e de preparações farmacêuticas; Fabricação de artigos de borracha, de matérias plásticas e de outros produtos minerais não metálicos; Indústrias metalúrgicas de base e fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamentos; Fabricação de equipamentos informáticos, equipamentos para comunicação, produtos electrónicos e ópticos; Fabricação de equipamento eléctrico; Fabricação de máquinas e equipamentos, n.e.; Fabricação de material de transporte; Indústrias transformadoras, n. e.; reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos; Produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio; Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição; Construção

Setor Terciário - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; Transportes e armazenagem; Actividades de alojamento e restauração; Actividades de edição, gravação e programação de rádio e televisão; Telecomunicações; Consultoria, actividades relacionadas de programação informática e actividades dos serviços de informação; Actividades financeiras e de seguros; Actividades imobiliárias; Actividades jurídicas, de contabilidade, gestão, arquitectura, engenharia e actividades de ensaios e análises técnicas; Investigação científica e desenvolvimento; Outras actividades de consultoria, científicas e técnicas; Actividades administrativas e dos serviços de apoio; Administração pública e defesa; segurança social obrigatória; Educação; Actividades de saúde humana; Actividades de apoio social; Actividades artísticas, de espectáculos e recreativas; Outras actividades de serviços; Actividades das famílias empregadoras de pessoal doméstico. actividades de produção de bens e serviços pelas famílias para uso próprio; Actividades dos organismos internacionais e outras instituições extra-territoriais
    2. Aponta ramos de actividade considerados:
a) indústrias ligeiras; 
3. Indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco
4. Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro
5. Indústria da madeira, pasta, papel e cartão e seus artigos e impressão

b) indústrias pesadas;
6. Fabricação de coque e de produtos petrolíferos refinados
7. Fabricação de produtos químicos e de fibras sintéticas e artificiais
8. Fabricação de produtos farmacêuticos de base e de preparações farmacêuticas

c) indústrias modernas;
11. Fabricação de equipamentos informáticos, equipamentos para comunicação, produtos electrónicos e ópticos
12. Fabricação de equipamento eléctrico
13. Fabricação de máquinas e equipamentos, n.e.

d) indústrias tradicionais.
4. Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro
21. Actividades de alojamento e restauração
3. Calcula a produtividade dos sectores I, II e III em 1995 e em 2009. Justifica a alteração da estrutura sectorial do emprego ao longo deste período, e refere o cenário mais plausível da sua evolução após 2009.
 No setor primário a produtividade desceu para mais de metade desde de 1995 para 2009 ou seja a produtividade no setor primário desceu de 0,41 para 0,21
No setor secundário a produtividade também desceu apesar de ligeiramente desde 1995 para 2009 desceu de 0,90 para 0,83
O setor terciário foi o único cuja a produtividade havia subido apesar de ser ligeiro o aumento,  a produtividade aumentou de 1,16 para 1,23.
O cenário mais plausível da sua evolução após de 2009 é que a economia dependa mais do setor terciário,  porque devido á sofisticação eficiência  das máquinas esses mesmos setores necessitarão menos mão de obra logo a maior parte da população trabalhará nesses mesmos setores.


4. Constrói um gráfico ilustrativo da questão 3. (PREVIEW) e comenta-o. 
A produtividade em 1995 no setor primário era relativamente maior que a de 2009 , tal como no secundário mas desta vez com uma margem inferior, mas desta vez a produtividade tem vindo a aumentar no setor terciário em 2009.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Bens – noção e classificação

1. Indica o critério de distinção entre bens materiais e serviços.
Quanto à forma como as necessidades são satisfeitas ou seja se são satisfeitas através de bens palpáveis ou através de  bens imateriais que não podem ser armazenados que nos são prestados através doutra pessoa.
2. Apresenta dois exemplos de bens materiais e dois exemplos de serviços.
Bens materiais- um automóvel e uma mala
Serviços- um supermercado em que uma pessoa nos registe os bens e que nós faça mos pagamento através dela , uma pastelaria
3. Indica o critério de distinção entre bens económicos e bens não económicos.
Os bens económicos são bens com um valor superior a 0 enquanto os bens não económicos são bens com um valor igual a 0, por exemplo respirar é um bem não económico.
4. Apresenta dois exemplos de bens económicos e dois de bens não económicos.
Bens económicos- maçã e IPhone
Bens não económicos- dormir e respirar
5. Indica o critério de distinção entre bens de consumo e bens de produção.
Bens de produção são bens que outras empresas recorrem e bens de consumo os bens de consumo são bens que os consumidores usam para satisfazer as suas necessidades.  
6. Apresenta dois exemplos de bens de consumo e de bens de produção.
Bens de consumo- bife e telefone que são bens finais
Bens de produção- motherboard e motor que ainda podem ser usados como para produzir diversos produtos tal como pcs e automoveis
7. Indica o critério de distinção entre bens duradouros e bens não duradouros.
Quanto á sua duração ou seja produtos duradouros que se podem usar múltiplas vezes enquanto os bens não duradouros só podem ser usados uma vez
8. Apresenta dois exemplos de bens duradouros e de bens não duradouros.
Bens duradouros- um computador e um lápis
Bens não duradouros- um chocolate e bilhete de transporte (não recarregável)
9. Indica o critério de distinção entre bens sucedâneos e bens complementares.
Quanto ás suas relações reciprocas ou seja os bens sucedaneos são bens que se podem usar alternadamente ou seja ou um ou outro enquanto os bens complementares devem ser utilizados em conjunto 
10. Apresenta dois exemplos de bens sucedâneos e de bens complementares.
Bens sucedâneos- usar um samsung ou um huawei e comer uvas brancas ou uma maçã
Bens complementares- monitor e pc e caneta e papel
11. As máquinas podem substituir as pessoas no processo produtivo, mas a produção nunca ocorre sem máquinas e pessoas. Classifica os factores produtivos (capital e trabalho) quanto às suas relações recíprocas.
O capital e o trabalho são bens complementares e sucedaneos pois pois as maquinas precisam de técnicos para fazer a manutenção das maquinas mas também podemos só usar pessoas ou só usar máquinas

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Consumismo e consumerismo

1. Distingue consumismo de consumerismo.
No consumerismo os indivíduos apenas adquirem somente o que caracteriza um consumo racional ou seja um consumo racional e responsável enquanto o consumismo o individuo gasta tudo em bens supérfluos que muitas vezes não é o melhor para ela compra porque sente curiosidade devido á publicidade.
2. Justifica a importância de uma atitude consumerista.
A importancia de ter uma atitude consumerista é que nos ajuda a gerir melhor o nosso dinheiro e a gasta-lo em bens que realmente nos faz falta.
3. Relaciona o consumerismo com a necessidade de preservar os recursos naturais e os equilíbrios ecológicos
Com uma atitude consumerista não iremos comprar tanto bens e assim diminuirá a produção de tais bens ajudando a poupar e preservar  os recursos causando um melhor equilibro ecologico.

https://docs.google.com/presentation/d/1GvZbEqW35SdD1CheFTUCxFUP9wJDaJgNsJOvmKwoMZk/edit?usp=sharing 

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Consumerismo

1. Consultando o link completa dois dos tópicos "Não é fácil, ser consumidor!" (p. 7) 
Não é fácil, ser consumidor pois como existem várias marcas com vários preços e muita diversidade por onde escolher e eficazes publicidades, produtos com várias funções e diferentes impactos ambientais faz com que seja difícil ser um consumidor.
2. A DECO concebeu a apresentação que tens estado a ler para promover a Educação do Consumidor e práticas consumeristas.
Refere dois objectivos da Educação do Consumidor. (p. 15) 
Distinguir necessidades básicas das necessidades supérfluas e utilizar a informação disponível para a tomada de decisões de consumo mais selectivas e esclarecidas.
3. “Até à data, e no geral, o homem actuou no seu ambiente como um parasita, tomando o que deseja com pouca atenção pela saúde do seu hospedeiro, isto é, do sistema de sustentação da sua vida.” Hutchison (2000), citado em Consumo e Ambiente
Distingue o caminho Tecnozóico do Ecozóico, e refere a importância das tecnologias limpas para salvar o Planeta da degradação do ambiente e das alterações climáticas. 
O caminho tecnozóico acredita que a tecnologia tem respostas infinitas para resolver a crise ecológica e que os seus estilos de vida consumistas e a relação que mantemos com a natureza não precisam de alteração.
Enquanto o caminho Ecozóico exige o estabelecimento de uma nova relação com a natureza e reconhecermos que somos parte independente centrando todos os esforços a reduzir o impacto destrutivo sobre os sistemas biológicos. 
4. Verifica que o consumo insustentável referido na questão anterior é explicado não só pela Economia, mas também pela Psicologia ou pela Sociologia entre outras. 
Sim pois o consumo insustentável parte dos indivíduos e dos seus hábitos de consumo que está ligado à psicologia e à sociologia que estuda por sua vez o seu modo de pensar e os seus hábitos.   
5. Refere como o consumismo é responsável pela exclusão do acesso de grande parte da população aos bens de consumo. 

6. Comenta dois direitos do consumidor que te pareçam frequentemente obstruídos. 

7. Será que frequentemente os jovens transmitem às suas famílias comportamentos de consumo mais consistentes com os seus deveres enquanto consumidores? Justifica. 

8. Indica os quatro erres do Rap do Eco Consumidor
Reciclar, reutilizar, reduzir e repensar.
9. Do teu ponto de vista o que é mais importante para consumir responsavelmente?
A - Conhecer a Lei do Consumidor
B - Ter valores compatíveis com um consumo responsável
Justifica.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Oniomania – Doença que atinge 1% da população

1. Refere factores que conduzam ao consumo impulsivo.
O consumo impulsivo pode ser causada por depressão e vicio.
2. Caracteriza a oniomania.
É um vicio que 1% da população tem em que o individuo sente felicidade e prazer ao fazer compras excessivas e ao chegar a casa sente infelicidade, porque não se sentem satisfeitos
3. Distingue o consumismo da doença (oniomania)?
A oniomania é uma doença em que se consome excessivamente sem necessidade  enquanto o consumismo não é tão excessivo.
4. “Comprar coisas de que não se precisa faz parte do estatuto de ser mulher”. Comenta.
Esta afirmação é uma afirmação falsa pois os homens apenas tem interesses diferentes , as mulheres normalmente são mais viciadas em comprar roupas enquanto os homens estão mais interessados em electrónica e tecnologias como computadores e telefones.
5. “A compulsão não escolhe género, os homens apenas têm outros interesses”. Identifica as áreas de consumo compulsivo segundo o género.
As áreas de consumo compulsivo masculino normalmente são as tecnologias e a electrónica. 
6. Identifica o perfil das pessoas que correm maior risco de se endividarem.
Normalmente são famílias de classe média, pois tem uma uma imagem a manter e tem a capital suficiete para satisfazer o seu vicio.
7. Refere a Internet como facilitadora do consumismo.
A Internet facilita o consumismo pois existem blogges, sites, etc, que ajuda os indivíduos a procurar os seus interesses mais facilmente sem sair de casa e podendo comparar os preços sem terem muito trabalho ou dirigirem se á própria loja
8. Refere a Internet como ferramenta de uma atitude consumerista.
A Internet é uma ferramenta da atitude consumerista pois pode influenciar os indivíduos a fazer um consumo irracional 
9. A propensão ao consumismo depende da educação? Como?